Buscar
  • Laudio Nogues

Inteligência Emocional (Parte II): o principal trunfo para o líder moderno

Atualizado: 10 de Nov de 2019

Conforme discutido no artigo anterior, o desenvolvimento da inteligência emocional (IE) é fundamental para a liderança moderna. Uma descoberta importante da neurociência aplicada à IE é o fato dos circuitos cerebrais responsáveis pela atenção e emoção estarem interligados, tornando a atenção um grande pilar para o desenvolvimento da IE.

Na “parte I” comecei a abordar a Tríade da Consciência - foco interno, foco no outro e foco externo – com ênfase no foco interno. Aqui na parte II serão abordados os dois últimos.

Foco no outro

É muito mais do que, como se diz comumente, “colocar-se no lugar do outro”. É saber escutar ativamente e ser capaz de ajustar a resposta nos termos que o outro mais se identifica. É compreender e sentir efetivamente a dimensão da emoção do outro. É agir proativamente no sentido de contribuir para ajudar o outro.


Líderes que fazem isso bem têm:

o Capacidade de captar a vibração de um grupo, reconhecendo um consenso tácito o Facilidade de se relacionar

o Capacidade de saber em uma apresentação quando os ouvintes precisam que se passe de dados frios para um momento de descontração ou vice-versa

o Alto poder de influência diante de seus liderados, pares e líderes

3 Tipos de Empatia:

Empatia Cognitiva

o Entender a perspectiva da outra pessoa, os modelos mentais pelos quais ela enxerga seu mundo

o Expressar a mensagem nos termos que farão mais sentido

o Atingir melhor grau de persuasão

Empatia Emocional

o Detectar imediatamente como alguém se sente naquele momento

o Promover interações com forte química, com sentimento de ressonância - gera uma sensação de conexão, confiança e compreensão

Preocupação Empática

o Reagir espontaneamente àquilo que as pessoas sentem que mais importa para elas

o Ajudar as outras pessoas

o Criar uma atmosfera de segurança e confiança de modo que liderados sintam-se seguros para correr riscos e experimentar novas ideias

Objetivo do "Foco no outro": Construir Vínculos

Foco externo

Estar antenado ao que acontece, nas tendências, identificar seletivamente o que mais interessa. Fechar ou expandir a visão dependendo da exigência do momento. Foco externo tem um apelo estratégico muito forte e pode ser dividido em dois:

Exploração

o Operacional seletivo, descontinuando ou eliminando negócios ou transações que não agregam o valor necessário.

Investigação

o Inovação constante e revolução criativa. Empreendedor em busca da próxima novidade.

Ocorrem em áreas diferentes do cérebro:

↑Nível de Consciência Sistêmica x ↓Déficit de Empatia

↑Nível de Empatia x ↓Cegueira Sistêmica


A situação ideal é que se consiga um balanceamento perfeito.

Em resumo: Cada um desses 3 tipos de foco e suas variedades tem seus benefícios e os líderes precisam ter os 3 em equilíbrio. O foco certo, na medida certa, na hora certa.O entendimento da Tríade da Consciência escancara a porta para que possamos então buscar o desenvolvimento nas competências básicas de uma boa Inteligência Emocional.

O avanço nessa área trará então uma dimensão definitiva para o perfeito reenquadramento de sua carreira, seja em qual área for, em uma nova dimensão. Mais do que isso, sendo esse um processo contínuo, permitirá que você se autorregule de maneira recorrente buscando a melhor adaptação ao meio que atua e liberando a usina de soluções criativas que habita em sua mente.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

  • O humano no homem é o diferencial positivo

  • A busca da perfectibilidade deve incentivar o upgrade humano

  • A tecnologia vem para somar

  • O primeiro passo para o desenvolvimento é reconhecer as fraquezas

  • Razão e Emoção são aliados imbatíveis

  • O gerenciamento da ATENÇÃO facilita o controle da EMOÇÃO

  • O cérebro muda com a experiência repetida (musculação cerebral)

  • A meditação fortalece a capacidade de foco

  • O equilíbrio e a habilidade em dosar o uso dos 3 focos (Interno, no Outro, Externo) no momento apropriado é fundamental para a liderança efetiva


Dica de ouro Duas grandes vantagens que os robôs que aprendem têm sobre os humanos é que eles:

  1. Não têm crenças limitantes dizendo a eles que não conseguirão fazer algo;

  2. Não têm vergonha ou orgulho que os impeçam de tentar até conseguir, independente da frustração que as tentativas fracassadas possam causar.

Não é fácil vencer essas duas barreiras, mas os benefícios para quem consegue são enormes. Pense nisso. REFERÊNCIAS

GOLEMAN, Daniel. Liderança: a inteligência emocional na formação do líder de sucesso. São Paulo: Objetiva, 2015.HARARI, Yuval Noah.

Homo Deus: uma breve história do amanhã. São Paulo: Cia. das Letras,

2015.PONDÉ, Luiz Felipe. Filosofia para corajosos. 3 ed. São Paulo: Planeta, 2014.

SUTHERLAND, Jeff; SUTHERLAND, J. J.Scrum: a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo