Buscar
  • Laudio Nogues

O Poder da Inteligência Emocional

Atualizado: 10 de Nov de 2019

“Working With Emotional Intelligence” – Daniel Goleman

Apesar de ser um tema com anos de pesquisas e debates, a Inteligência Emocional (IE) aplicada em ambientes corporativos ainda desperta muita dúvida e paixão. Um dos mais renomados pesquisadores e autores sobre o tema, Daniel Goleman define em seu livro o poder da liderança emocionalmente inteligente.

A essa altura, não há mais quem questione que os líderes mais bem-sucedidos no mundo possuem, além das exigidas competências cognitivas relativas à sua atividade, fortes padrões de habilidades emocionais.

Comportamento é, sem sombra de dúvidas, o maior desafio das pessoas que seguem em ascensão dentro da carreira executiva. Muitos são escolhidos para postos maiores por sua competência em executar seus trabalhos com perfeição e entregar excelentes resultados. Acontece que aquilo que os qualificou a conquistar a ascensão não será suficiente para lhes garantir a continuidade do sucesso na organização. O comportamento de liderança efetiva de pessoas passa a ser então o maior atributo a ser exercitado.

Uma liderança efetiva é aquela pautada por competências de IE; é exatamente nestes momentos de alta ansiedade, estresse e insegurança que o desequilíbrio emocional nos leva a responder de forma equivocada.

Estas habilidades são descritas e agrupadas por Goleman em 5 tópicos, sendo 3 delas internas (relacionadas ao indivíduo para com ele mesmo) e as 2 outras externas (relacionadas ao ambiente externo).

Habilidades internas

Motivação – a força motriz que impulsiona o líder a buscar aperfeiçoamento contínuo.

Autoconhecimento – a consciência sobre as próprias emoções, valores, crenças, forças e limitações.

Autocontrole – habilidade de saber usar suas emoções a seu favor e em benefício da liderança realizadora.


Habilidades externas

Empatia – habilidade de compreender os outros e entender suas motivações para uma interação positiva e produtiva. Vale ressaltar que isso não pressupõe concordância ou submissão.

Habilidade Social – ter uma fluência genuína no convívio com pessoas e grupos. Saber balancear o comportamento para uma interação agradável, tornando o ambiente motivador e produtivo.


"Quanto mais alto a pessoa chega na organização, maior a necessidade de desenvolver sua IE."

O treinamento formal do tema para aprofundar seu conhecimento em IE é uma alternativa válida, porém, um efetivo processo de Coaching vem sendo comprovadamente transformador para estas competências comportamentais.

Além disso, a prática regular de Mindfulness também demonstra um efeito positivo sobre a regulação emocional, nos trazendo consciência sobre os padrões automáticos e a consequente capacidade de escolher mantê-los ou muda-los.

3 visualizações0 comentário